14 JAN

Esteira aquática para cães

Fisioanimal

A teoria da simbiogenesis, antigamente conhecida como a teoria da endossimbiose, fornece importantes alicerces para compreender a evolução das espécies, assim como a o surgimento dos seres multicelulares, estes compostos pelos fungos, plantas e animais (e, consequentemente, o ser humano).

Antes, só uma informação para facilitar o entendimento da teoria: os seres vivos (tirando assim os vírus e os príons, já que alguns cientistas não os consideram “vivos”) são compostos por cinco reinos, sendo que destes só um é procarioto, ou seja, apresentam estrutura celular mais simples (as bactérias); os outros quatro, os eucariotos, apresentam uma estrutura celular mais complexa, com mais organelas e mais mecanismos regulatórios e bioquímicos (os protozoários, os fungos, as plantas e os animais).

Bem, essa teoria – formulada primeiramente pelo botânico russo Konstantin Mereschkowski na década de 1910, e profundamente elaborada e divulgada pela bióloga evolucionista Lynn Margulis a partir da década de 1960 – estabelece um importante passo evolutivo, a partir da perspectiva celular: que as organelas celulares mitocôndria (responsável pela respiração nos animais, vegetais, fungos e protozoários) e os cloroplastos (responsável pela fotossíntese nos vegetais) eram células de vida livre, presentes no ambiente, e por algum processo endossimbiótico, passaram a coexistir dentro de células maiores, formando assim os eucariotos.

Apesar de ter sido refutada por um primeiro momento (com Lynn Margulis só conseguindo publicar o primeiro artigo sobre o tema depois de ter sido recusado por outras quinze revistas científicas!), atualmente é ela a que fornece mais evidências de como os eucariotos emergiram: as mitocôndrias e os cloroplastos existiam de forma livre em uma Terra primitiva, esta cheia de outros procariotos e demais bactérias ancestrais, vivendo uma caos do cenária à época nos oceanos e mares (lembre-se que a vida surgiu no mar) – e ambas ao serem absorvidas por outros seres unicelulares, passaram a fornecer uma quantidade de energia muito maior que a célula hospedeira produzia, ao mesmo tempo esta protegeu as organelas de serem fagocitadas por bactérias predadoras.

A partir disto, com uma reserva de energia bem maior e mais eficiente, foi uma importante conquista (aleatória) para estas células se desenvolverem e seguirem os seus destinos evolutivos.

 

Os cachorros são as mitocôndrias dos seres humanos

Avançando alguns bilhões de anos na escala da evolução e saindo da Terra primitiva quando era habitada só por seres unicelulares, vamos rumo ao nosso planeta de 50.000 anos atrás, quando a nossa espécie, o Homo sapiens, já abitava todos os continentes do planeta.

Nessa época vivíamos da caça e da coleta, assim esses nossos ancestrais eram chamados de paleolítico; diferente das culturas que a partir do domínio da agricultura e pecuária, há aproximados 10.000 anos atrás, os chamados neolíticos.

Caso investigássemos muitas tribos e bandos humanos paleolíticos, provavelmente acharíamos famílias de país, mães, filhos, filhos, avós, e, com toda a fé, cachorros os acompanhando: os cachorros eram membros importantes pois auxiliavam na caça e obtenção de alimento, além de também ser utilizado como defesa contra predadores e possíveis inimigos.

Aliás, se investigássemos as culturas neolíticas (que já domesticavam rebanhos de bovinos, caprinos e suínos), certamente acharíamos os cachorros auxiliando, otimizando o serviço, sendo também uma importante ferramenta na obtenção e manejo de alimento.

Sabe-se que os cachorros foram os primeiros animais a serem domesticados pelos seres humanos, e a parceria deu tão certa que até hoje eles estão ao nosso lado, nos ajudando com toda a sua fidelidade que é difícil achar em outros seres.

Os seres humanos avançaram evolutivamente devido a coexistência com os cachorros, tal como as mitocôndrias e os cloroplastos coexistindo com uma célula maior (formando os eucariotos).

 

Clínica veterinária que traz o melhor para o seu cachorro

Se eles fazem parte da nossa família, mais que isso: são importantes organismo que estão em simbiose conosco, temos o dever de proporcionar a melhor saúde física e mental para os nossos cachorros.

Sabendo desta importância é que nós da Fisioanimal estabelecemos o compromisso com o máximo de rigor profissional com a saúde e o bem-estar do seu cão: possuímos o melhor em diagnóstico e tratamento, assim com práticas fisioterápicas, acupuntura e hidroterapia (incluindo assim esteira aquática para cães).

Devemos isto a eles, já que eles nos cooperaram a sermos a espécie dominante no planeta, entre em contato agora mesmo conosco e esclareça qualquer dúvida a respeito da saúde do seu pet.

...

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *